Artigo de Luiz Gustavo na Revista Ser Mais

Olá pessoal,

Quero compartilhar uma novidade. Semana passada, mais precisamente no dia 1º de maio, chegou em casa a revista Ser Mais, com meu 1º artigo publicado…

O texto Liderança e Responsabilidade, que já havia sido postado aqui no blog em Fev/2011 (clique e veja), foi também publicado no site da editora no início do mês passado (clique aqui) e para minha surpresa, chegou às bancas agora em Maio.

Revista Ser Mais artigo de luiz gustavo

Feliz demais por fazer parte desta seleta lista de profissionais reconhecidos na área de treinamentos como Reinaldo Polito, Marcelo Ortega, Ômar Souki, Chrstian Barbosa e muitos outros.

Graças à DEUS, mais uma conquista e mais um degrau alcançado. Agradeço a torcida e apoio dos os amigos e profissionais envolvidos. Grande abraço e sucesso à todos! ;)

 

Um início

Discurso de Luiz Gustavo – Paraninfo da turma de Marketing 2012 (Anhanguera)

***

colação mkt anhanguera 4

Boa noite senhoras e senhores… Boa noite colegas integrantes da mesa.

Tudo bem???

Estou muito feliz de estar aqui hoje, minha primeira vez como paraninfo, isso me deixa muito orgulhoso, de verdade.

Queria compartilhar com vocês, alguns poucos, mas simples e sinceros pensamentos. Primeiro meus parabéns a todas as turmas que aqui estão, em especial a turma de Marketing, pra quem eu ministrei dois semestres de aulas no curso. Mais uma etapa, mais uma conquista, mais um ciclo que se fecha e o outro que se inicia. Parabéns a todos vocês que estão aqui hoje.

Um início. Um início difícil, um início conturbado, cheio de dificuldades e incertezas no curso que a gente faz. Um percurso trilhado com sabedoria, com dedicação, que nos fortalece, que nos torna profissionais melhores, pessoas mais seguras. E um final de curso mais ousado, onde a gente deseja e tem a sensação de dever cumprido.

Se um dia nós fomos escolhidos, hoje que consigamos ter este poder de escolha. E este poder está aqui, na escolha destas pessoas maravilhosas que estão aqui, pai, mãe, filhos, amigos, colegas, todos vocês foram escolhidos a dedo para estarem aqui com estes vencedores.

Desejo a vocês, inúmeras dificuldades na vida, porque só através das dificuldades que conquistamos nossos objetivos, através das dificuldades que nos superamos.

Desejo a vocês muitas dificuldades e sucesso.

Uma ótima noite à todos!

***

Clique e veja depoimentos da turma

Barata voadora (do mal)

DEUS É MARAVILHOSO…. Mas, “pisou na bola” quando criou a BARATA, você não acha? Que coisa horrorosa, feia, medonha…. Aquilo é DO MAL….

Ontem À NOITE apareceu uma destas criaturas em casa, “VOANDO”, eu disse, “VOANDO”… O que é aquilo poxa?! A desgraçada deu um rasante de 2 metros, de uma ponta à outra da sala e ficou lá, grudada na cortina e o pior, me encarando… Taquei uma almofada na infeliz, mas ela se esquivou e veio pra cima de mim mano… Pra piorar, mamãe estava do lado… e não fez NADA, você acredita? Ficou lá me zuando, me chamando de medroso e falando para eu ficar de “boa” que logo a dita cuja iria embora, mas como “ficar de boa” com este MONSTRO em casa? Ainda mais COM ASAS….

Na boa, isso não tem nada a ver com medo, apenas um receio, já pensou você lá dormindo e a sem noção aparece? Aí você sente uma cosquinha na ponta do nariz e quando acorda, vai bocejar, a lazarenta cai na sua boca…. Horrível, horrível, muito horrível isso….

Por isso, não desanimei, e fui à sua caça… Neste momento, mamãe se tocou da gravidade do assunto e convocou papai para bolarmos uma estratégia… Maravilha, plano perfeito, enquanto ele tirava a almofada onde a “esperta” se escondia, mamãe ficou preparada pra tacar aquele veneno em spray, eu fiquei ali, na retaguarda com o chinelo na mão e quando ela deu uma cambaleada por causa do veneno, PRONTO, foi uma só no “pé da orelha”, derrubei o bicho…

E sem pensar duas vezes, papai num ato heroico, pegou-a pelas anteninhas, ATRAVESSOU TODA A CASA e a jogou no vaso sanitário (não que a casa seja grande, mas qualquer meio metro com aquele ser nas mãos, pra mim, já é muita coisa)… Meu amigo, que orgulho eu senti naquele momento, sabe aquela sensação de estar protegido, aquela sensação de que nenhum mal vai lhe acontecer??? Pois é, foi assim que me senti, uma alegria e um bem estar enorme, tomavam conta de mim…

Ufa… Já era hora neh?! Foi um processo longo, quase duas horas de adrenalina, terror e coragem. Graças ao trabalho em equipe, vencemos… E por isso estou aqui agora, dizendo pra você nunca desanimar numa situação parecida… Tenho certeza que também irá conseguir. Mas fica uma dica, antes de usar o sanitário, CERTIFIQUE-SE que a barata realmente foi embora, às vezes a gente pensa que ela está morta…. MENTIRA… A vigarista nos engana e se vacilar, ela pode surgir onde menos se espera… Ainda bem que sou ligeiro!

Abraço e agora sim, VOU DORMIR!!!

Chove, esfria, esquenta…

Jovem de grande talento, humorista stand up (integrante do grupo “Riso Ereto“) e colunista do blog Momento Risada, Dihh Lopes vem se destacando cada vez mais com seus textos e apresentações de humor…

Uma honra ser amigo deste cara… Abaixo, ele comenta como um “meteorologista” pode confundir a cabeça das pessoas, rs… Leia já e divirta-se com o texto, rs…

Dihh Lopes

Humorista Stand up

***

Vocês sabiam que São Pedro é o Santo mais bravo que existe? Ele é tão bravo que quando está irritado já manda logo “pancadas de chuva!” eu não entendo essa linguagem meteorologista: “Previsão de chuva nos próximos dias, nuvens carregadas se aproximam da cidade”.

Como assim nuvens carregadas? quem que carrega uma nuvem?  Eu não entendo essas coisas. “Sudeste, está vindo uma massa de ar seco” como é uma massa de ar? ainda por cima seco? quem que seca a massa de ar, é o mesmo cara que carrega a nuvem?

“Uma onda de frio se aproxima do sul do país” como assim onda de frio? Que tipo de informação é essa? Como ela pode me ajudar? Imagina uma mãe falando para um filho:

– Filho, ta vindo uma onda de frio ai, cuidado, não esquece de agasalhar sua prancha!

Me desculpem os “meteorologistas” mais essa é uma profissão que não me impressiona muito, não impõe respeito, por causa desses tipos de linguajar usado por Dona Rosana Jatobá, Flávia Freire e etc..

Mas o principal pra mim é o nome, “meteorologista” o que é isso? Parece nome de médico: Urologista, Proctologista, Meteorologista…

Você nunca vai ver um aluno na escola falando:

(Professora) _ Pedrinho o que você quer ser quando crescer?

_ Eu quero ser meteorologista!

Eu acho que até o próprio meteorologista, tem vergonha da profissão:

“ Flavia Freire, do que você trabalha?”

_ Eu trabalho… na Globo!

Para mim a previsão do “tempo” deveria ser mais objetiva, clara, falar uma língua que o povo entenderia:

“Salvador, previsão de tempo SOSSEGADO! O Sol não sabe se vem, a Chuva até queria vir, mais na hora deu uma preguiça….”

“São Paulo, previsão de tempo ALAGADO! probabilidade de enchentes em apenas 5 pontos da cidade; Zona Sul, Norte, Leste, Oeste e Centro!”

“Rio de Janeiro, previsão de tempo QUENTE! bem quente, logo de manhã previsão de arrastão na praia, com probabilidade de balas perdidas no fim da tarde, ou seja, se você for sair de casa hoje não esqueça seu colete… a mínima hoje no rio é de 33 mortos, com máxima de 45 vitimas, na cidade maravilhosa!”

***

LEIA OUTROS TEXTOS

Jô Soares – No motel

José Eugênio Soares, além de ser, um dos mais conhecidos apresentadores de TV dos últimos tempos (no estilo, entrevistas), é também ator, diretor, humorista e escritor. Seus livros mais conhecidos são: “O Homem que Matou Getúlio Vargas” e “Assassinatos na Academia Brasileira de Letras”.

Na televisão começou em 1967 em “Família Trapo”, participou de vários outros programas, mas seu grande sucesso surgiu mesmo em “Viva o Gordo” (seu primeiro programa solo em 1981). Hoje, como muitos sabem, apresenta o “Programa do Jô” pela Rede Globo de Televisão e pela CBN.

“Nunca faça graça de graça. Você é humorista, não político.”

Jô Soares

Apresentador de TV

***

“Quando me casei pela primeira vez a uns bons 25 anos atrás, minha primeira mulher me achava um tesão, descasei depois de 21 anos e me juntei com outra mulher e essa já me achava um pesão!

Daí estive refletindo e há certas coisas que me incomodam… Algumas ocasiões são realmente muito desagradáveis na vida de um gordo. Ir a um motel, com toda certeza, é uma delas. Tudo em um motel parece que foi projetado minuciosamente para sacanear com a cara dos obesos.

Reparem só.

Na grande maioria desses estabelecimentos é preciso subir uma escadaria para chegar ao quarto. Isso não se faz. Ou o gordo trepa ou sobe escada. As duas coisas no mesmo dia são impraticáveis.

O gordo chega tão esgotado no quarto que parece até que já deu duas no caminho. A parceira, então, propõe uma hidromassagem para relaxar. O que, na verdade, quer dizer:

‘Por que você não vai tomar banho, seu gordo sebento?’.

Já na banheira, o gordo percebe que nem a água quer ficar com ele. Metade cai fora, preferindo manter uma relação mais íntima com o chão do banheiro. Dá um friozinho na barriga, até porque parte da barriga, como um iceberg, fica pra fora da espuma.

Mas é na saída do banho que a situação fica ainda mais ridícula. Chega o fatídico momento de colocar o roupão, é triste, com algum esforço o cinto até fecha, mas o roupão não. Fica aquele decote tipo Luma de Oliveira, que dá pra ver até o umbigo. Só que no lugar da Luma está o Jô, saca? É constrangedor.

Quando o gordo finalmente chega ao quarto, a situação consegue ficar ainda pior. Se um elefante incomoda muita gente, dez elefantes de roupão refletidos nos espelhos incomodam muito mais. Para que tanto espelho? Se o próprio gordo já fica mal, imagina a parceira cercada  pela manada? Se eu fosse ela, não dava mais de comer aos animais.

Mas de todos os espelhos o mais cruel, sem dúvida, é o do teto. A vista é estarrecedora. Dá até para entender por que a maioria das mulheres transa com os olhos fechados.
Acho que a única utilidade de tantos espelhos é prá gente conseguir ver o pinto que a barriga não deixa a gente ver há muitos anos. Já faço até xixi no piloto automático.

Eu, como sou um gordo experiente, uso uma tática infalível: ligo o ar-condicionado no máximo para forçar o uso do lençol. Afinal, o que os olhos não vêem…”