O profissional do futuro! Você está preparado?

douglas de matteuDouglas de Matteu

Professor, palestrante e especialista em marketing

Frase: “O Estudar deve ser constante…”

***

Muito se discute sobre o perfil desejado do profissional, o que se espera dos profissionais atuais e futuros? Ele deve ter uma formação geral, tradicional ou uma formação específica? O que tem mais valor?

A resposta é simples …. ele tem que ser especialista na sua área de atuação, porém conhecer o todo.

Engana-se o Profissional recém formado em pensar “ufa! acabei os estudos, me formei, agora estou tranqüilo”. O Desenvolvimento intelectual não deve ser visto como uma obrigação, deve se tornar uma prática do cotidiano, como escovar os dentes. Da mesma forma que temos que nutrir todo o nosso organismo com alimentos saudáveis, devemos também alimentar o nosso cérebro e exercitá-lo.

Se pensarmos em linhas históricas, a filosofia, mãe de todas as ciências, primeiramente buscou o conhecimento, a reflexão e o pensar sobre o homem, o mundo e o universo.

Em seguida, ocorreu uma fragmentação do conhecimento, dividindo-o nas áreas: Humanas, Exatas, Biológicas, entre outras. Posteriormente o conhecimento dividiu-se em cursos e disciplinas, como é estruturado o ensino no Brasil hoje, entretanto, estamos caminhando agora para a interdisciplinaridade.

Tenho vivido no campo acadêmico, a busca das instituições em trabalhar projetos interdisciplinares, que visam relacionar as disciplinas e saberes. Nas aulas de Mestrado também se discute o tema de forma mais profunda, estudei a Teoria de Complexidade de Edgar Morin, que em linhas gerais, nos leva a refletir que a divisão do saber nos oferece uma visão incompleta da realidade, ou seja, percebemos o mundo sob um olhar parcelado, muitas vezes míope, este olhar está enraizado na nossa própria formação.

Precisamos ampliar nossos horizontes, repensar nossa formação, e estar sempre abertos para “beber do conhecimento de todas as ciências”.

O mundo muda muito rápido e o profissional também deve mudar, ter flexibilidade. A título de exemplo, hoje com advento dos cursos de Tecnologia, podemos ter uma formação superior de forma rápida e prática em determinas áreas do saber.

Em alguns casos até conseguem convergir duas áreas que eram distintas, exemplificando, o Curso de Tecnologia em Agronegócio da Fatec de Mogi, que é  um curso superior gratuito que oferece uma formação mesclada de Administração de Empresa com Agronomia, esta é uma tendência crescente. Isso facilita o egresso no mercado de trabalho, mas não significada que devemos parar.

Existe hoje no mercado educacional uma infinidade de cursos de especializações, que atendem diversas demandas, tais como Administração Hospitalar, Vendas, Consultoria Empresarial entre outros. A Especialização oferece um diferencial competitivo no mercado de trabalho e amplia nossa visão do mundo.

O Profissional do futuro tem sólida formação e especializações também.

O Estudar deve ser constante, seja qual a forma, através de um livro ou até mesmo pela Internet, outro exemplo é o SEBRAE (educacao.sebrae.com.br),  que oferece diversos cursos gratuitos e de excelente qualidade aos interessando, emitindo inclusive um certificado.

Acredito na famosa frase do grande pensador Confúcio “O necessário para aprender é uma mente humilde”. Hoje só fica parado no tempo quem quiser!

Como sempre digo, atitude é que faz a diferença. Se você quer se destacar pense qual é o seu diferencial? O que você pode fazer hoje pode mudar o amanhã. Sem sombra de dúvida a atualização e a ampliação de conhecimentos é um caminho que todos devem seguir.

***

Coautor do livro SER MAIS EM COMUNICAÇÃO

Anúncios

Como passar em Concursos e Vestibulares

Alberto Dell’Isola já participou de diversos programas de TV, como Fantástico, Jô Soares, Faustão, Gugu, Caldeirão do Huck e muitos outros. É recordista latino americano de memorização, por conseguir “guardar” em sua mente a sequência de 280 cartas de baralho, previamente embaralhadas em apenas 1 hora.

Tive a honra de conhecer este profissional (e amigo), dono de um raro talento (a memorização) há pouco mais de três anos, por ele morar em MG e eu em SP, nossas conversas acontecem através das redes sociais e são sempre uma fonte de aprendizado para mim.

Alberto é bacharel em psicologia pela UFMG, professor, palestrante, autor de vários livros, entre eles: “Super Memória – você também pode ter uma” e ainda o único brasileiro a participar do Campeonato Mundial de Memória.

Alberto Dell’Isola 

Palestrante, Escritor e Recordista Latino Americano de Memorização

***

Criando uma base sólida

Atualmente, posso dizer que tenho uma boa base em matemática. Dificilmente encontro alguma questão desse assunto que não consiga resolver. O mesmo posso dizer de inglês: é pouco provável que surja algum texto que não consiga interpretar corretamente. Em contrapartida, não possuo a mesma base em geografia, história ou biologia.

Todos nós somos assim: existem assuntos que dominamos bastante e assuntos que não sabemos muito bem. Infelizmente, nunca surgirá um concurso ou vestibular onde caia apenas matérias que você domina. Desse modo, como conseguir uma base sólida em todas as matérias?

O mito da matéria enorme

Mas a matéria é enorme!?

Você certamente já ouviu essa frase antes! Talvez, você mesmo tenha dito essa frase inúmeras vezes. O que torna uma matéria enorme?

Imagine que você fará uma prova envolvendo “apenas” um tema: equações de primeiro grau. Se você souber matemática básica, você classificará essa matéria como pequena. Assim, para se preparar, bastará que você faça alguns exercícios para se preparar.

Agora, imagine que você não saiba nada de matemática, desconhecendo por completo até mesmo a tabuada. Nesse caso, a matéria “equações de primeiro grau” seria enorme. Observe que o conceito “matéria enorme” é completamente relativo.

Pense um pouco nos concursos mais disputados. Ao contrário do que se imagina, não são concursos com “matéria enorme”. Aliás, caso existisse alguma “matéria enorme”, ninguém seria aprovado em tais provas. O que acontece é que, geralmente, os alunos não abordam a matéria desses concursos corretamente. Em vez de criarem uma boa base, ficam constantemente recomeçando do zero.

Há 5 anos comecei a estudar pra concursos.

Compreendo que concursos devem ser um projeto a médio prazo, levando ao menos 2 anos de investimento de tempo, suor e dedicação. Também compreendo que o mesmo investimento deve ser feito para ser passar em vestibulares concorridíssimos como medicina, direito ou engenharia nas faculdades federais. No entanto, a maioria das pessoas não está se preparando corretamente. Muitos dizem estar estudando há 5 anos, quando, na verdade, estão apenas repetindo a mesma estratégia equivocada de estudo por anos e anos.

Escolhendo uma estratégia eficiente

De acordo com a base que você possui, você precisa utilizar uma técnica diferente. Geralmente, os alunos de concursos e vestibulares têm o seguinte pensamento: conseguir ver toda a matéria até o dia da prova. No entanto, essa abordagem pode ser inadequada de acordo com o contexto.

a) Suponha que você já tem um enorme conhecimento sobre todas as matérias. Nesse caso, o ideal é montar uma grade de estudo diária, de forma que todo o assunto do edital seja revisado em até 1/3 do tempo disponível até a prova. O resto do tempo deverá ser para a resolução de provas antigas das diversas matérias.

b) Suponha que você tem um conhecimento altíssimo em quase todas as matérias, com exceção de 1 ou 2. Nesse caso, basta que você se programe para aprender essas matérias em no máximo 1/3 do tempo que você possuir disponível. Mais uma vez, utilize o resto do tempo disponível para exercícios e simulados.

c) Suponha que você está começando a estudar pra concurso e não possui base necessária. Nesse caso, seu projeto é pra no mínimo 2 anos (mínimo! pode ser 2, 3, 4 ou até mesmo 10, de acordo com outras variáveis envolvidas). Nessas condições, sou contra a abordagem de estudar todas as matérias de uma vez. O melhor é escolher o mínimo de matérias (1 a 3), até ficar bom nelas. Quando ficar bom nelas, estude mais um pouco. Estude até chegar no momento em que você dificilmente errará uma questão desses assuntos. Nesse ponto, escolha outras 3 matérias e faça o mesmo.

Finalmente, pode passar a usar as estratégias a) e b).

Infelizmente, os alunos não compreendem os efeitos da curva do esquecimento (curva de Ebbinghaus).

Durante a aprendizagem de novos assuntos, as revisões são fundamentais. Se elas não forem feitas de maneira sistemática, acontecerá um fato extremamente frequente: a cada edital, o aluno tem a impressão de que está estudando do zero.

Alunos de exatas

Caso você não saiba nada de exatas, ao contrário do que você imagina, existe uma solução! Adquira uma coleção inteira de livros de matemática do ensino fundamental(5º ano, 6º ano, 7º ano, 8º ano e 9º ano). Com paciência e determinação, estude a matéria desde o primeiro volume, resolvendo TODOS os exercícios. Ao finalizar o primeiro volume, parta para o segundo e faça-o completamente. Ao terminar, continue com os próximos volumes até conseguir terminar todos eles.

Infelizmente, as apostilas de matemática para concursos e vestibulares costumam ser extremamente resumidas. Além disso, o volume de exercícios, para cada tópico abordado, costumam ser muito reduzidos. Por exemplo, imagine que você tem dúvidas sobre soma e subtração de frações. Ao estudar em um livro do 5º ano, você encontrará dezenas de exercícios sobre o tema. Em contrapartida, uma apostila de concursos ou vestibulares, dificilmente teria mais de 5 exercícios sobre esse tema.

Resolver provas antigas

Após atingir uma boa base, bastará que você foque na resolução de provas antigas. Geralmente, as bancas criadoras das questões costumam repetir sistematicamente as questões referentes aos assuntos do edital.

Boa sorte nas provas!!!

Alberto Dell’Isola